• Girotti

Principais falhas no Módulo de Controle Eletrônico de máquinas pesadas.


Fonte: Girotti


Algumas falhas impedem o Módulo de Controle Eletrônico de funcionar corretamente. Quando isso acontece, inevitavelmente, a máquina para. Descubra algumas causas comuns de falhas no ECM.


O Módulo de Controle Eletrônico ou ECM é o cérebro do sistema de injeção eletrônica da sua máquina. Sendo assim, quando ele não executa suas tarefas corretamente, não tem como a máquina funcionar corretamente.


Uma série de fatores podem fazer com que o ECM opere de forma inadequada, desde problemas na bateria e na fiação, até mesmo defeitos no hardware ou software do próprio módulo.

Neste post, falarei um pouco sobre alguns desses problemas e explicarei resumidamente quando você deve entrar em contato com a gente.


O QUE É O MÓDULO DE CONTROLE ELETRÔNICO

O ECM é um componente presente em todos os sistemas de injeção eletrônica diesel, como o HEUI e o Common Rail. O Módulo de Controle Eletrônico nada mais é do que um computador capaz de analisar dados coletados através de diversos sensores distribuídos pela máquina.


A partir do processamento desses dados, o ECM determina o fornecimento de combustível, a pressão, a distribuição da injeção, entre outros.


Em suma, funciona assim: quando uma máquina sai da fábrica, ela vem preparada para operar em diversas condições. Isso é possível, já que o ECM tem uma série de parâmetros pré-estabelecidos em seu software.


Por exemplo, o módulo tem programado as possíveis faixas de rotação, estratégias de emergência e instruções sobre o que o fazer de acordo com cada informação recebida dos sensores. Enfim, todos esses parâmetros determinam o que o sistema de injeção precisa fazer para se adaptar a cada condição.



PRINCIPAIS MOTIVOS DE FALHAS NO ECM

Quando o ECM não funciona, em geral, você não consegue nem mesmo dar a partida na máquina.


Outros sintomas são alterações no rendimento do combustível ou perda de potência

No entanto, isso não significa necessariamente que o módulo esteja comprometido ou que precise ser substituído.


Muitas vezes o problema está em outros pontos do sistema, como a bateria, a fiação ou mesmo os sensores. Portanto, fique atento às seguintes questões:


ALIMENTAÇÃO

O ECM só funciona se receber constante alimentação da bateria. Afinal, como qualquer outro computador, ele precisa de energia para realizar suas tarefas. Dessa forma, qualquer problema no circuito poderá inviabilizar o funcionamento do ECM. Sendo assim, ainda que você desconfie de problemas no módulo, se a máquina não liga, a primeira coisa a avaliar de fato é a bateria.

FIAÇÃO

Fiações degastadas pelo tempo de uso ou pela manutenção incorreta podem ocasionar curto-circuitos e queimas de fusíveis. Sendo assim, também podem acarretar falhas na alimentação do ECM. Dessa forma, é importante ficar atento à fiações defeituosas e substituir fusíveis danificados sempre que necessário.


MÓDULO

Naturalmente, problemas no hardware ou software do ECM também podem comprometer seu funcionamento. Assim como qualquer outro componente da máquina, o módulo também está propenso a sofrer desgastes por tempo de uso. No que diz respeito ao hardware, esses desgastes podem ocorrer em sua estrutura (corrosões, ruptura de contatos, falhas nos pinos, terminais, plugs e conectores).


Além disso, as falhas podem ocorrer também na placa, que pode apresentar rompimentos de filamentos, oxidação, entre outros.


Caso falhas na estrutura, na placa ou na alimentação estiverem descartadas, não tem jeito, será necessário utilizar um scanner de diagnóstico para identificar possíveis erros no software, nos sensores ou atuadores.


SENSORES E ATUADORES

O sistema de injeção eletrônica só funciona graças a diversos sensores e atuadores espalhados pela máquina. De fato, boa parte das falhas no funcionamento do ECM são causadas pelo mal funcionamento desses dispositivos.


Afinal, eles têm a importante função de coletar e enviar as informações que fazem o módulo de controle eletrônico funcionar corretamente. Só para citar alguns, temos o sensor de temperatura, o de rotação e de pressão de óleo. Já entre os atuadores, temos as válvulas de injeção, a bomba de combustível etc.


Nesse caso, a utilização de um scanner específico é fundamental para identificar precisamente onde está o problema. Como regra geral, caçambas largas são utilizadas para escavar solos macios e caçambas estreitas são usadas em materiais mais duros.


Em solos rochosos, duros, o raio de ponta também tem ser levado em conta quando da seleção de caçambas. As caçambas de raio curto fornecem uma força maior de penetração do que as de raio longo, que geralmente são usadas para carregamentos.


Uma regra básica ao selecionar uma caçamba para material duro é escolher um modelo estreito com o menor raio.


Outros fatores, como perfil do fundo da vala, de largura, tamanho facas laterais, ou curvatura traseira também podem influenciar na seleção de caçambas para uma escavadeira.




  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube
  • Linkedin
Logomarca WP.png